Terça-feira, 10 de Janeiro de 2017

'Tu Gitana'

'Tu Gitana' aparece na discografia de José Afonso como pertença do Cancioneiro de Vila Viçosa. Vila Viçosa nunca teve cancioneiro conhecido. Em Portugal há 4 Cancioneiros renascentistas:

Cancioneiro de Elvas, Cancioneiro de Lisboa, o Cancioneiro de Belém e o Cancioneiro de Paris.

Para além destes há os Cancioneiros medievais:

Cancioneiro da Vaticana, Cancioneiro Colocci-Brancuti (Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa) e o Cancioneiro da Ajuda.

'TU GITANA' faz parte do cancioneiro de Elvas (Tu gitana que adeuinas - século XVI), e é uma cantiga de autor desconhecido, do género vilancico (1)

É natural que durante os séculos seguintes este, e outros cancioneiros, se tenha dispersado pela península ibérica e daí advir a confusão deste tema ter origem em Vila Viçosa.

(original)

Tu gitana q̃ adeuinas,
me digas pues no lo sé
si saldré desta vẽtura,
ó si enella moriré.

No me niegues coſa alguna
De Quãtas me an de venir
Que no temo sino vna
Y desta no puedo huir.

Y pues sé que he de morir
Dime el quãdo por tu fé,
Que salir desta ventura,
Ya yo sé que no saldré.

Zeca Afonso altera a segunda quadra, criando uma nova.

Tu gitana que adivinhas
Me lo digas, poes no lo sê
Se saldré dessa aventura
Ô si nela moriré

Ô si nela perco la vida
Ô si nela triunfaré
Tu gitana que adivinhas
Me lo digas, poes no lo sé

(1) "Pode definir-se o vilancico primitivo como uma canção formada de pequenos textos poéticos (vilancetes) de frases curtas e de carácter estritamente popular e profano, musicados com melodias muito simples que o povo cantava nas ocasiões festivas e no seu quotidiano.
(Bessa, 2001:22).

Começou por se chamar “chansoneta”, nome que passou a coexistir com o de “vilancico” que lhe foi dado nos finais do século XV e a que se refere Juan del Enzina “y si tiene dos pies llamamosle también mote o villancico” (cit. in Pope, 1980: 767).

O termo “vilancico”, dado a uma canção em que o refrão era composto de dois ou três versos, provinha, no mais aceite sentido etimológico, de “vilhano” (Pope, 1980) – camponês em castelhano. A temática relaciona-se com elementos campesinos e profanos e, aquando do seu aparecimento nos finais do século XIII ou princípios do XIV, não indicava qualquer origem de índole religiosa.
Apesar das influências que recebeu doutras canções – zéjel árabe, virelai francês e balata italiana – não perdeu as características de genuinamente peninsular, conservando os sentimentos e simplicidade expressos no texto e na música, embora na estrutura muito se assemelhem.

O vilancico, simples, popular e profano, foi a canção escolhida pelo povo que a cantava e dançava nas romarias e preferido pelos nobres para animar os serões da corte e palácios.

Pelo sentido místico que adoptou, foi aproveitado pela Igreja acompanhando, durante o século XV, os autos religiosos, primeiro fora e, depois, dentro dos templos e toma lugar nos actos litúrgicos durante a reza das Matinas, apesar da grande oposição da Igreja conservadora."

Como sempre a igreja aproveita o sucesso do profano e transforma-o em religioso. Teria sido assim com a Saturnália, festa pagã do tempo do império romano, mais tarde integrada pela igreja nas comemorações natalícias.

fontes: http://alemtunas.blogspot.pt/2016/07/tu-gitana-origens-e-autores-do-tema.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cancioneiro_de_Elvas

http://www.cancioneros.si/mediawiki/index.php?title=Cancionero_Musical_de_Elvas

https://cipem.files.wordpress.com/2007/01/05-2003-5-vilancicos-portugueses-do-sc3a9culo-xiv-ao-xviii1.pdf




publicado por marius70 às 09:19
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds