Quarta-feira, 18 de Março de 2015

"Três versões, a mesma música"

Zeca

"Sou filho da África colonial, de Coimbra e da Beira Baixa"

Zeca Afonso foi filho dos locais por onde passou. Angola e Moçambique, terras que lhe moldaram o ritmo da interpretação e a revolta, Coimbra em que a boémia lhe moldou o caráter e Belmonte onde a transição juvenil o despertou para a sexualidade.

E na música? Zeca Afonso foi filho das raízes culturais do nosso canto. Das Beiras, do Algarve, do Alentejo, de Trás-os-Montes, dos Açores e do Minho, Zeca foi beber às fontes do nosso povo, dando o seu cunho pessoal sem esquecer as raízes.

Benedicto Garcia:

Acampamento em Fuzeta - 1973

No día a seguir á "inauguração" do campamento (as tendas eram as sôzinhas que lá havía) chegou pelo lugar o Zé Manel, o filho máis velho do Zeca que andava, também, de férias. Vinha do Norte e trazía um pressente muito especial: além, diante dos dois (e imagino que havería algúms máis) tirou de viola e empezou a cantar uma canção "raiana", que segundo as súas fontes, era cantada nas celebrações nas dúas beiras do Minho, no norte galego e no sul portugués. A canção, simples de composição, tinha tres quadras:

Nosa Senhora da Guía
Guía aos homens do mare
Venha ver a barca vela
Que se vai deitar no mare
Nosa Senhora vai dentro
Os anjinhos a remare"

(Benedicto gravou-a no seu álbum, "Pola Unión" - 1977 com o título "Nossa Señora da Guia")

Coa emoção própria do neófito (e eu éra-o pois a penas gravara um e.p. de 4 canções no 68 em Barcelona) dinlhe ao Zeca o disco e ele fez o próprio e trocou-o por um dele. Neste dico estava "Chula da Póvoa" a súa versão, máis portuguesa, com uma irmá no meu disco, máis galega."

"CHULA DA PÓVOA", do álbum "COM AS MINHAS TAMANQUINHAS" - 1976, letra diferente mas a mesma música.

"Em Janeiro bebo o vinho
Em Fevereiro como o pão
Nem que chovam picaretas
Hás-de cair, Rei-Milhão"

A letra em baixo (em parte semelhante à que Benedicto canta), faz parte do cancioneiro poveiro e é cantada pelo Grupo Folclórico Poveiro com o título "Torradinhas" (disco Alvorada – MEP 60 042 de 1957, informação da data de João Carlos Callixto. As chulas, os viras e as danças de roda são as músicas mais tradicionais deste Grupo).

"Vamos ver a lancha nova,
Vamos ver a lancha nova
Que se vai deitar ao mar,
Que se vai deitar ao mar.

Nossa Senhora vai dentro,
Nossa Senhora vai dentro
E os anjinhos a remar
E os anjinhos a remar."

Deste EP fazem parte as seguintes músicas:

S.João Poveiro
O mar enrola na areia
Torradinhas
Vira de oito


"Torradinhas" cantada e dançada pelo Rancho Poveiro.


Terá Zeca Afonso pensado na Póvoa de Varzim quando fez a "Chula da Póvoa"?

"Nossa Señora da Guia" e a "Chula da Póvoa", cantadas por Benedicto e Zeca Afonso.


Versão que mistura instrumentos dos gaiteiros Treixadura e vozes dos gaiteiros de Lisboa:


Fontes:

Estrolábio

Linguagem popular e cancioneiro poveiro

publicado por marius70 às 05:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds