Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

"O fósforo que ainda arde"


No rasto de Zeca em Paris - Uma história comovente.

"A 13 de abril de 2012, comecei a procurar o rasto de José Afonso em Paris [...] ao pé do Sena, entrei no metro para chegar a Boulevard la Tour Maubourg, ao Centro Calouste-Gulbenkian e ali…

Ali achei o rosto da utopia. O rosto da utopia foi o livro que me trouxe amavelmente a bibliotecária da Gulbenkian, escrito por José A. Salvador em 1994.

Molhei os dedos nos lábios para passar as páginas. De entrada descobri que o Zeca escreveu, nos seus tempos no Colégio Mangualde, em Setúbal, uma tese sobre Sartre e que um tal Padre Miguel lhe disse: “O senhor pelo que li apresenta inequívocos indícios de poeira mental”.

Molhei outra vez os dedos e ao passar a página achei, surpreendendo-me, a foto do cartaz do concerto de 1981 em Paris, colado no metro.


No meu terceiro dia em Paris cheguei-me ao mercado de Poisy, um dos bairros de forte imigração portuguesa, e entrei no bar Coimbra.

Faltava-me o final da história e havia que intentá-lo. Assim que quando aquela mulher, olhos negros, sessenta anos, me serviu a ginginha, eu falei-lhe: Olá, bom dia, venho da Galiza, de Santiago de Compostela, e estou a procurar informações sobre a presença do Zeca Afonso em Paris… Sabe quem me poderia ajudar?

Ela disse simplesmente: Eu. E foi-se embora. Regressou com mais um copo, serviu-se da ginginha e disse: Em 1981 veio cantar ao Théâtre de la Ville, e depois do concerto eu esperei por ele. Queria dar-lhe dois beijinhos, eu adorava o Zeca. Havia muita gente. Ele tirou um cigarro, levou-o à boca, mas não tinha lume. Eu, ligeira, acendi um fósforo e protegendo-o assim, com esta mão, cheguei-lho a arder. E assim foi… Eu dei lume a José Afonso, disse orgulhosa aquela mulher, a sorrir com muito ar no peito.

Tenho-o cá, disse, o fósforo. Vou buscá-lo. E foi e voltou com um envelope de papel amarelecido, quase transparente. A mulher que deu lume a José Afonso em Paris abriu o envelope, tirou o fósforo, mostrou-mo pegando nele com o indicador e o polegar, pousou-no em silêncio na mesa, dentro dum dos olhos da madeira, e eu tirei-lhe uma foto.


Parece que ainda arde…, disse baixinho.

Chama-se Patrícia Maria Verde Vilar. Antes de despedir-me perguntei-lhe: De que canção do Zeca gostava mais? E ela disse: Enquanto há força.

E eu saí a assobiar… Seremos muitos, seremos alguém."

Texto e fotos de Xosé Luís González Sende, conhecido por Séchu Sende, escritor galego.

Tradução do galego: Mário Lima (fiz os possíveis para ser, o quanto possível, fiel ao original)

Daqui


Atuação do Zeca no Théâtre de la Ville (fotografias de josé maria laura)


publicado por marius70 às 06:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds