Terça-feira, 30 de Maio de 2017

Cantares - edição clandestina

Da 1ª edição clandestina - Edição SCIP - AAEE de Lisboa / A.E.I.S.T. - 1969

"Incontornável edição clandestina (esforço da vanguarda das associações de estudantes), substancialmente diferente da da Nova Realidade (Tomar, 1966), ganha a importância da perseguição movida contra tudo o que levasse a assinatura de Zeca Afonso. O regime fascista foi sempre muito claro em relação ao Autor de Grândola, Vila Morena: havia que silenciá-lo!"

daqui:

http://frenesilivros.blogspot.pt/2016/04/cantares.html

Menino do Bairro Negro

Nota: Embora as fotos apresentem meninos negros, a letra nada tem a ver com a negritude da pele como Zeca nos explica aqui:

«O conhecimento do Porto de todas estas realidades é que me deu o tema do – Menino do Bairro Negro – Expliquei mais tarde que negritude de que falava a canção, não dizia respeito à cor da pele, mas à condição de meninos explorados diagnosticados por José Castro no seu livro Geopolítica da Fome .»

Fotografias do moçambicano Ricardo Rangel

(as fotos, como refere Alexandre Pomar, teriam sido enviadas pelo Zeca de Lourenço Marques com a Autobiografia e as notas sobre os poemas)


publicado por marius70 às 19:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Zeca e o Rock

"O rock é uma música aceite, não só pela juventude burguesa, como até pela juventude operária. É o gosto dominante… Antes do rock português, há uns anos atrás, havia o chamado nacional-cançonetismo, imposto pelo regime como música representativa do nosso génio. O rock que se canta para aí, pelo menos, teve esta virtude: ajudou a liquidar o nacional-cançonetismo.

Quando apareceu a chamada balada, por exemplo, também se caiu num certo cansaço. As canções eram um bocado primárias, à base de dois tons ou três na viola. E tudo passava por balada… É possível que esses sujeitos, dentro do condicionamento existente – que o rock é, de facto, um padrão praticamente instituído – consigam, daqui a uns dois ou três anos, fazer coisas com um pouco mais de imaginação. Sem terem de aleijar a língua portuguesa para a meterem dentro dos compassos do rock. Que é uma coisa que se ouve com frequência."



Entrevista a Maria Eduarda publicada na edição nº145 de 9 de dezembro de 1981 do jornal “em marcha”

Foto: Zeca com Júlio Pereira em 1983


publicado por marius70 às 19:47
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Maio de 2017

“Com as minhas tamanquinhas”

Júlio Pereira

"O Zeca viveu de uma maneira muito forte o 25 de novembro. Está expresso de uma maneira criativa num disco que, infelizmente, os media acharam que era o pior disco daquele ano: “Com as minhas tamanquinhas”, onde imita o Eanes e faz um tema a um coronel do 25 de Abril - “Como se faz um canalha”.

Um disco que é talvez o mais panfletário. É curioso, passados este anos todos, imaginares que, naquela altura, o país já não ia muito à bola com o Zeca.

Como é que os media conseguem considerar que é o pior disco ano quando inclui temas intemporais, como o “Alípio de Freitas”, “Teresa Torga”, “Os Índios da Meia-Praia”...?

Mas não nos podemos esquecer que, a partir desta época, acontecem duas coisas em simultâneo: a degradação da sua saúde e o que o país está a viver, a nível político e social.

O Zeca foi-se muito abaixo nessa altura. Sendo seu amigo, ia partilhando todo o seu quotidiano. Com o agravar da doença, a única coisa que nos preocupava, aos amigos, era mantê-lo animado."

daqui:

http://www.esquerda.net/dossier/grande-admiracao-pela-juventude/47150

Júlio com Zeca na Festa do Avante - 1980


publicado por marius70 às 19:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 17 de Maio de 2017

Carta de Zeca à direção da SMOG

José da Conceição, um dos membros da direção da Música Velha (assim era designada a Sociedade Musical Operária Grandolense), foi quem convidou e acolheu Zeca Afonso no evento realizado a 17 de maio de 1964:

«O espectáculo foi de facto excepcional. (...) Há um episódio engraçado, porque no programa aparece o nome de Júlio Abreu, que era o nome de um ciclista. O tipo da tipografia devia gostar muito de ciclismo, ou devia estar a falar em ciclismo quando estava a fazer o cartaz, porque o certo é que se enganou e, em vez de Fernando Alvim, pôs o nome de Júlio Abreu. Também aparece lá o nome de Rui Pato, que também não foi. Como o Zeca cantava sempre com o Rui Pato, ficámos convencidos que não precisávamos de o convidar, porque o Zeca trataria disso. Quando o Zeca chegou, não havia Rui Pato, mas não houve problema porque ele se acompanhou a si próprio.»

Fim de citação

In Zeca Afonso "Livra-te do Medo" de José A. Salvador.

Rui Pato? nesse ano iria fazer 18 anos (nasceu a 5 de junho de 1946) e, ao contrário do que disse José Conceição (a memória ao fim de alguns anos atraiçoa-nos), o nome do Rui foi referido como podemos ler nesta carta que Zeca enviou, após confirmação do evento. Nela, envia o contacto à direção da Música Velha, do pai do Rui, Albano da Rocha Pato. Tal não deve ter acontecido e assim Rui não acompanhou o Zeca nesta sua deslocação a Grândola.



publicado por marius70 às 12:39
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Maio de 2017

Achégate A Mim, Maruxa

Júlio Pereira

"Uma vez, em Vigo, ao pé de um hotel onde nos hospedámos, estávamos numa espécie de uma ponte e o Zeca diz-me: “Eh pá, se eu tivesse aqui o gravador...”. Fui ao hotel buscar o gravador. O Zeca gravou a música toda do “Achégate A Mim, Maruxa”, que tinha a letra da Rosalía de Castro. Pensei: “Isto é que é ser génio”. Recordo-me de ter falado noutra altura com o Zeca sobre a genialidade em geral e de ele estar totalmente em desacordo com essa história da genialidade. Para ele, a genialidade era o trabalho. Mas, naquele dia, deu-me um amostra de que genialidade é outra coisa. Vi, pela primeira vez, alguém criar algo sem esforço, sem voltar atrás, sem trabalho. A música saiu exatamente como a gravei. Mas acredito na tese do Zeca, as coisas nascem do nosso trabalho, e é muito raro alguém compor uma música toda sem qualquer esforço e emenda."

daqui:

http://www.esquerda.net/dossier/grande-admiracao-pela-juventude/47150

foto - Vigo - com Janita Salomé, Júlio Pereira e Sérgio Mestre




publicado por marius70 às 10:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds