Quinta-feira, 26 de Novembro de 2015

Rui Pato - Testemunhos de uma vida

Rui Pato com Zeca Afonso


Rui Pato com Zeca Afonso



Rui de Melo Pato nasceu em Coimbra a 5 de junho de 1946. Tinha Rui Pato 16 anos quando começou a acompanhar à viola Zeca Afonso. Participou com Zeca em 7 discos durante 7 anos (1962-69). Foi um acaso que levou Rui até Zeca. Depois da morte do pai, Zeca chega a Coimbra vindo do Algarve. Queria mostrar novas músicas aos amigos e pediu uma viola, no «Brasileira». O pai de Rui Pato (o jornalista Rocha Pato), diz:



«Só se formos a minha casa: o meu filho anda a aprender guitarra clássica e podes tocar com a viola dele». Assim aconteceu mas, pouco depois, Rui estava a acompanhar o Zeca e este entusiasmado disse: «É este puto que vai gravar comigo»



Rui Pato gravou três EP, três LP e um single, num total de 49 temas. Rui Pato foi proibido pela PIDE a deslocar-se a Londres em 1969 para gravar o álbum "Traz Outro Amigo Também", devido à sua participação na Crise Académica de 1969. Neste álbum Rui Pato foi substituído por Carlos Correia (Bóris)



Fonte: "Canto de Intervenção" de Eduardo M. Raposo



As noites de canções com Salgueiro Maia:




(clicar no play)


O despertar:

"Só tive consciência do perigo e da importância de tudo aquilo que estávamos a fazer um ano depois de já estar com ele. Quando comecei, em 1962, não me tinha apercebido da importância de todas aquelas canções e daquilo que o futuro nos reservava", recorda. Estava, sem saber, talvez pela aventura da idade, a entrar numa luta: "Era um combate contra a censura, o regime, os preconceitos e todos aqueles que achavam que era estranho que a música pudesse servir de arma".

A Censura:

"A liberdade, escondida entre versos, valeu-lhe a atenção da PIDE. Começou a ser vigiado, foi expulso da Universidade e obrigado a entrar para o serviço militar coercivo. "Era quase uma forma de guerrilha artística, e eu, como se poderia dizer, dei o peito às balas", conta. Alguns lugares das plateias começaram a ser preenchidos por agentes da polícia política e a censura prévia tornou-se habitual.

..."Aos mecanismos mais intensos de repressão, respondiam as requintadas ironias. A liberdade não era para o ouvido de todos. "Há relatos dos censores e até de agentes da Direção Geral dos Espetáculos, que estão na Torre do Tombo, que faziam relatos perfeitamente ridículos. Não percebiam muitas das coisas. Lembro-me de tocarmos os 'Vampiros', das primeiras vezes, e eles pensarem que estávamos a falar mesmo dos bichos".

Fonte:JPN

Parte de uma gravação realizada pelo programa "Violas e Vozes de Abril" onde Rui Pato fala de Zeca e Adriano Correia de Oliveira.



Mais sobre Rui Pato (clicar aqui)

publicado por marius70 às 16:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2015

Zeca em Moçambique - 1982

«Em nome do Governo, são bem-vindos! Estão em vossa casa.»

Foi com estas palavras que as autoridades de Moçambique receberam José Afonso e os seus companheiros (a mulher Zélia, Serginho, Júlio Pereira e Janita Salomé), em abril de 1982.

«O Zeca», diz Júlio Pereira, «andou sempre bem disposto, e a própria recepção com flores e abraços foi de algum modo o reconhecimento da FRELIMO pelo que José Afonso fez em Moçambique quando lá esteve nos anos sessenta. Foi o período em que vi o Zeca mais feliz»

Durante um mês Zeca e os companheiros, deram vários concertos na capital, Beira, Tete e nos Songo (Cabora Bassa) com as salas sempre cheias.



Fonte: "Livra-te do Medo" de José A. Salvador

Foto do arquivo de Júlio Pereira.





publicado por marius70 às 14:30
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2015

Alípio de Freitas canta Zeca Afonso

Álbum "Co'as Tamanquinhas do Zeca!" dos Couple Coffee - Reedição 2014


"Traz outro amigo também" conta com a voz do próprio Alípio de Freitas que, nascido em Vinhais, em 1929, deixa ali impresso o seu sotaque transmontano e altivo. Luanda (filha de Alípio de Freitas) conta, agora, como correu a experiência:

“Pôr o meu pai a cantar não foi nada difícil. Há uns dois anos que estávamos com essa ideia, mas fomos enrolando. Estas duas músicas tinham ficado de fora do disco ("Co’as Tamanquinhas do Zeca!", álbum editado em Abril de 2007), "Alípio de Freitas" por aqueles motivos todos e "Traz outro amigo também" porque foi uma música em que eu não queria mexer. Porque, para mim, ‘aqueles que ficaram’ são os que ficaram pelo caminho. Estou cercada de defuntos, enfim. Mas achei que agora era a hora dessa canção, propus ao meu pai e ele foi profissionalíssimo, 40 minutos de estúdio e gravou tudo, cantando, falando deu uma alegria, uma dignidade à canção. Quisemos deixar a forma como ele fala, o timbre muito transmontano, ficou muito lindo assim.”



publicado por marius70 às 16:30
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Novembro de 2015

«Os dois Zés, o Afonso e o do Telhado»

Testemunho de Hélder Costa - Encenador e diretor artístico do grupo "A Barraca"

Como Hélder Costa "convenceu" Zeca a escrever os temas para a peça "Zé do Telhado".

Músicas para o Zé do Telhado no álbum Fura-Fura.

"Quanto é doce - as sete mulheres do minho - o cabral fugiu para a espanha - de quem foi a traição - quem diz que é pela rainha - na catedral de lisboa."


O cartaz da época

A Barraca conta : Zé do Telhado - 1978 - Teatro

Texto do cartaz: Texto de Helder Costa; Música de Zeca Afonso; Cenografia de João Brites; Encenação de Augusto Boal; António Cara d'Anjo, João Maria Pinto, João Soromenho, Luís Lello, Manuel Marcelino, Margarida Carpinteiro, Maria do Céu Guerra, Mário Viegas, Orlando Costa, Paula Guedes, Santos Manuel.

Subsidiado pela Secretaria de Estado da Cultura

http://sinbad.ua.pt/cartazes/CT-ML-II-3638


Vídeo - Quanto é doce


publicado por marius70 às 15:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2015

Biografia resumida - Conclusão

1953 - 24 anos - Tropa - Mafra (Agosto de 1953) Em 53 nasceram os dois filhos de Zeca, José Manuel (18 de janeiro, foi padrinho Carlos Couceiro) e Helena (29 de dezembro). São editados pela Alvorada, os seus dois primeiros singles em 78rpm (com o título genérico de "Fados de Coimbra", gravados em 1952, no Emissor Regional de Coimbra da Emissora Nacional, com os músicos António Brojo, António Portugal, Aurélio Reis e Mário de Castro). Devido a dificuldades financeiras, dá explicações e revê provas do Diário de Coimbra.
1954 - Tropa - Coimbra (Janeiro de 1954)
1955 - o filho José Manuel, vai de encontro dos avós a residirem em Lourenço Marques.
1956 - Baixa na tropa (14 de janeiro de 56 - Estava mobilizado para Macau). Regresso do filho José Manuel por ocasião do gozo de licença do avô. Inicia-se o processo de separação da mulher Maria Amália.
1957 - Professor num colégio privado, Colégio de São José, em Mangualde (6-1-1957 a 30-9-1957, dava aulas de História e Filosofia). Professor provisório da Escola Industrial e Comercial de Lagos (28-10-1957 a 22-7-1958).
Atua em Paris, no Teatro "Champs Elysées" ao lado de Fernando Rolim, voz, António Portugal e David Leandro nas guitarras de Coimbra, e Sousa Rafael e Levy Baptista nas violas (4 de dezembro de 1957)
1958 - Professor provisório da Escola Industrial e Comercial de Faro (7-10-1958 a 18-7-1959)
1959 - No início do ano lectivo 1959/1960 está 10 dias em Aljustrel (Setembro de 1959) e depois transita para a Escola Técnica de Alcobaça (3 de outubro de 1959).
1960 - É editado o EP "Balada do Outono" e o EP "Coimbra" (gravado em 1956). Professor Escola Industrial e Comercial de Faro (17-10-1960 a 25-7-1961). Nova digressão com o Orfeão Académico de Coimbra a Angola (Agosto de 1960). Desloca-se a Genebra, onde com Fernando Rolim, voz, António Portugal e David Leandro nas guitarras e Coimbra, e Sousa Rafael e Levy Baptista nas violas, grava uma serenata para a Eurovisão.
1961 - Conhece Maria Zélia Agostinho, natural da Fuzeta. Licencia-se em História-Filosóficas (3 de novembro).
1962 - Professor Escola Industrial e Comercial de Faro (6-11-1961 a 30-7-1962). Começa a gravar com Rui Pato. EP "Baladas de Coimbra". Professor Escola Industrial e Comercial de Faro (19-10-1962 a 31-7-1963).
Realiza digressões pela Suiça e Alemanha, onde grava para a televisão, e na Suécia onde actua na Gala dos Reais Clubes Suecos, integrado num grupo de fados e guitarradas, na companhia de Adriano Correia de Oliveira, José Niza, Jorge Godinho, Durval Moreirinhas e da fadista lisboeta Esmeralda Moedo.
1963 - Divorcia-se de Maria Amália. Grava o EP Dr. José Afonso em "Baladas de Coimbra". Professor Escola Industrial e Comercial de Faro (7-10-1963 a 29-7-1964)
1964 - Casa com Zélia (4 de janeiro). Grava o EP "Cantares de José Afonso" e o LP "Baladas e Canções". No final do verão embarca para Moçambique, com um contrato de professor.
1965 - Liceu António Enes, em Lourenço Marques (1964/1965) - Leciona Geografia - Nasce, a 8 de agosto, a filha Joana*.
* Joana, nasce em Lourenço Marques. Tinha 15 dias quando Zeca, Zélia, a filha Helena e Joana a 23 de agosto, foram para a Beira onde Zeca iria lecionar.
(Fonte: José Afonso – Um Olhar Fraterno, flªs 174)
1966 - Liceu Pero de Anaia, na Beira (14-9-65 a 30-7-1966). Compõe 'Coro dos Tribunais' e 'Eu Marchava de Dia e de Noite' para a peça de Bertolt Brecht 'A Excepção e a Regra', traduzida por Luiz Francisco Rebelo, encenada por Cardoso dos Santos e que seria representada no Teatro dos Amadores da Beira. É publicado o livro "Cantares de José Afonso" pela Nova Realidade.
1967 - Revogado o contrato e leciona como eventual (18-9-1966 a 29-7-1967). Regressa a Portugal em agosto, com Zélia e dois filhos, Helena e Joana. Fica com o tio-avô Filomeno, o filho mais velho, José Manuel. Em outubro dá aulas no Liceu Nacional de Setúbal - aulas de Organização Política. Internado na Casa de Saúde de Belas durante 20 dias, é exonerado do ensino «por conveniência de serviço». Passa a dar explicações.Começa a cantar com mais assiduidade nas coletividades da Margem Sul.
1968 - Contrato com Arnaldo Trindade Cª Lda. Regime de exclusividade, um mínimo de três discos LP (36 trechos), num prazo de dezoito meses a contar de 1-3-1969, com um cachet de 45 000$00 por cada lote de doze canções. Grava o "Cantares do Andarilho".
1969 - É colocado após requerimento, como professor na Escola das Areias em Setúbal (7-10-1969 a 31-7-1970). Em 1969 funcionava como Ciclo Preparatório) no primeiro grupo numa área que não domina - Ciências da Natureza (segundo depoimentos de alunos foi professor de História e não de Ciências (http://www.aja.pt/o-meu-professor-de-historia-jose-afonso/ ). No ano seguinte é indeferido o requerimento e não volta a dar aulas no ensino público. Grava o single "Menina dos Olhos Tristes" e o LP "Contos Novos, Rumos Velhos" com o músico Rui Pato e a participação de Teresa Paula Brito. Pela primeira vez num disco de José Afonso, aparecem outros instrumentos que não a viola ou a guitarra. É o último álbum com Rui Pato. Nasce o filho Pedro a 2 de setembro. Recebe o prémio da Casa da Imprensa para o melhor disco, distinção que repete em 1970 e 1971.
1970 - Celebra novo contrato com Arnaldo Trindade - gravação no mínimo de dois LP no periodo de dezoito meses (no contrato seguinte o prazo passa para dois anos), por uma quantia fixa, a que acresce 10 contos mensais como consultor musical da empresa: 3 de setembro.
Grava em Londres o LP "Traz Outro Amigo Também". Rui Pato impedido de sair de Portugal pela PIDE é substituído na viola por Carlos Correia "Boris", antigo músico de rock. A Casa de Imprensa atribuiu a José Afonso o Prémio de Honra pela «alta qualidade da sua obra artística como autor e intérprete e pela decisiva influência que exerce em todo o movimento de renovação da música ligeira portuguesa» (21 de março de 1970). Participa no 1º Encontro da "La Chanson Combat Portugaise" - Maison de la Mutualité - Paris (10 de novembro de 1970). É convidado para participar num festival internacional de Música Popular, em Varadero, Cuba. Acometido por um esgotamento nervoso, não canta. No regresso, é detido e passa 24 horas nos calabouços da PIDE (novembro de 1970).
1971 - É detido pela PIDE/DGS em Lourenço Marques quando de visita aos pais e irmãos. É reembarcado para Portugal. Grava Cantigas do Maio em Paris, foi detido no aeroporto antes do embarque. Participa em Valência no II Festival da Canção Ibérica.
1972 - Canta em Orense, Lugo e Santiago na Galiza (Maio de 1972). Zeca canta Grândola pela primeira vez, para estudantes de Santiago de Compostela. Grava em Madrid "Eu Vou Ser Como a Toupeira", no Estúdio Cellada, em Madrid, com a participação de Benedicto, cantor galego, e apoio de Manolo Diaz. É editado o livro "José Afonso" pela editora Paisagem. Participa no VII Festival Internacional do Rio de Janeiro - Setembro, 1972, com a canção "A Morte Saiu À Rua".
1973 - Nova digressão à Galiza, conjuntamente com José Jorge LEtria, Manuel Freire e Francisco Fanhais (Março). Participa ativamente no III Congresso da Oposição Democrática de Aveiro. Preso em Caxias de 30 de abril a 21 de maio. Grava em Paris "Venham Mais Cinco"
1974 - Participa no I Encontro da Canção Portuguesa a 28 de março, com grande aparato policial. Grava em Londres "Coro dos Tribunais". Dá-se o 25 de abril sendo Grândola a senha para o arranque definitivo da operação.
1975 - Participa na campanha de dinamização cultural «Maio-Nordeste» no distrito de Bragança. Participa diretamente nos moviementos populares e no PREC, em colaboração estreita com a LUAR. Visita Angola (atuou em janeiro em Cabinda no Cinema Chiloango, onde estive com ele no palco). Grava em Itália o LP República. Morre o pai a 13 de outubro.
1976 - Viagem à Alemanha onde grava o LP "José Afonso in Hamburg". Apoia a candidatura à presidência de Otelo. Grava o LP "Com as Minhas Tamanquinhas"
1977 - sem referências
1978 - Participa na formação da cooperativa «Era Nova». Vai a Angola a convite do MPLA. Grava "Enquanto à Força".
1979 - Digressão pela Galiza. Grava "Fura Fura". Passa a residir em Azeitão. Atua em Bruxelas no Festival da Contra-Eurovisão.
1980 - Concertos na Alemanha Federal. Apoia de novo Otelo à presidencia.
1981 - Espetáculos no Théatre de la Ville em Paris. Grava "Fados de Coimbra e Outras Canções" (disco de prata).
1982 - Participa no festival «Le Printemps de Bourges» (França)
Contrato com a Sasseti (com data de 1 de março e termo a 1-3-1985). Visita em Abril Moçambique, a convite da FRELIMO. Primeiros sintomas da doença.
1983 - Recusa a Ordem da Liberdade. Espetáculo no Coliseu de Lisboa a 29 de janeiro, a 5 de fevereiro - Caldas da Rainha, 25 de maio - Coliseu do Porto, 26 de maio - Coimbra e 1 de junho - Beja. Grava "Como Se Fora Seu Filho". É reintegrado no ensino oficial, na Escola Preparatória de Azeitão, como professor de História e de Português.
Em 24 de Abril, doze cantores que participavam no Concerto pela Paz e pela Não Intervenção na América Central, enviam-lhe da capital da Nicarágua (Manágua) uma mensagem: “Queremos enviar-te um abraço revolucionário e dizer que te sentimos junto a nós, cantando o homem novo, que como agora em Nicarágua, um dia haverá de nascer em Portugal”. Assinam esta mensagem, entre outros, Chico Buarque, Pete Seeger, Daniel Viglietti, Carlos Mejía Godoy, Amparo Ochoa, Silvio Rodríguez e Isabel Parra.
Zeca Afonso gostava de considerar este pequeno texto de solidariedade como a sua “coroa de glória”.
1984 - Internamento na Clínica Santa Isabel, em Coimbra.
1985 - Apoia a candidatura de Maria de Lurdes Pintasilgo. Grava o seu último álbum "Galinhas do Mato" (neste LP canta em duas canções, que já estavam anteriormente gravadas)
1986 - Compõe algumas canções em casa com a ajuda à viola de Júlio Pereira
1987 - Morre, em Setúbal, a 23 de fevereiro. 24 de fevereiro realiza-se o funeral para o cemitério da Senhora da Piedade, em Setúbal. A urna estava envolvida num pano vermelho, sem qualquer símbolo político.


publicado por marius70 às 21:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds