Segunda-feira, 6 de Julho de 2015

A estratégia para tornear o lápis azul da censura

José Niza

José Niza desempenha na Orfeu, na qual era responsável pela produção discográfica, um importante papel nas relações com a censura, negociando a entrada de determinados temas nos álbuns, como refere o próprio:

“Arrisquei e apostei numa estratégia que funcionou quase a 100% e que assentava na avaliação que então fazia da relação entre o “gato” e o “rato” (…)

Apercebi-me de que havia alguma margem de manobra e que era preciso aproveitá-la.

Dou um exemplo: em 1972, quando o Zeca Afonso e eu preparávamos a gravação do disco “Eu Vou Ser Como a Toupeira”, pedi-lhe que me desse não só os poemas que pretendia cantar, mas também outros mais violentos e explícitos. Estes poemas excedentários serviriam de isco provocatório da ira dos lápis azuis dos censores e eram mesmo para serem cortados.

Eu sabia - ou julgava saber – que o regime não queria silenciar totalmente o Zeca, queria apenas controlá-lo. Tal como tinha acontecido com o Zip-Zip. É que silenciar completamente o Zeca, o Adriano, o Manuel Freire, o Fanhais e outros criaria um efeito de boomerang que iria virar-se contra o regime e inverteria as lógicas dos custos-benefícios. O truque funcionou: quando as letras foram devolvidas, das canções que queríamos gravar, só A Morte Saiu à Rua vinha cortada.

Mesmo assim, não me conformei. Telefonei ao Dr. Pedro Feytor Pinto, então director geral de Informação, que eu conhecia desde os tempos de Coimbra e da Tuna Académica, onde ele fora contemporâneo do Zeca. Almoçámos.

Ele sabia que a canção descrevia o assassínio, pela PIDE, do pintor comunista Dias Coelho, embora o nome não fosse referido no poema do Zeca. E eu dizia-lhe: «Mas quem é que sabe quem era o Dias Coelho? Onde é que está o problema?» Quando chegámos ao café, A Morte Saiu à Rua estava autorizada!”

"A Morte Saiu à Rua" por Rui Veloso


publicado por marius70 às 05:45
link do post | comentar | favorito

Poesia do Zeca - Pardal Velho

Pardal velho
Morre à sede
Num mundo pequeno
cresci

Bolor no retrato
Cotão na parede
Por lá rompeu o bicho
(e o monturo)

Cheios de ofícios
E manjares miúdos
Não comemos aqui

Lagos, 1957

José Afonso - Textos e Canções

publicado por marius70 às 05:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds