Terça-feira, 19 de Maio de 2015

Henri Tabot

Henri Tabot, foi um dos músicos que acompanharam Zeca Afonso e fazia parte da "banda" permanente que os levou a atuar numas largas dezenas de espectáculos, tanto em Portugal como no estrangeiro, incluindo 30 dias na Alemanha, participação em França, na TV, etc, etc.

Pedi ao Henri que me contasse "estórias" sobre esses momentos. Aqui vai uma.

"Um partido político conseguiu vender-lhe uma carrinha Peugeot 204 a diesel que usavam para a distribuição do seu jornal garantindo que estava óptima e nem um mês depois gripava...

O Zeca nunca deveu nada aos partidos políticos que dele sempre se tentaram servir e não foi uma nem duas vezes que mesmo consciente disso, pois falávamos disso com ele na altura, fomos trabalhar a "feijões" porque ele dizia que "avisar a malta" ultrapassava essas questiúnculas..."

Obrigado Henri.


Na foto: Henri, Guilherme Inês (Júlio Pereira também, mas pouco se vê) e Zeca Afonso no Pavilhão dos Desportos de Lisboa no Parque Eduardo VII

publicado por marius70 às 19:02
link do post | comentar | favorito

Pedro Barroso

Este Tributo a Zeca Afonso, vive de momentos únicos. De depoimentos de quem foi seu companheiro de estrada, de quem andou com o Zeca em demanda por este país e lá fora, de quem partilhou as suas frustrações e alegrias, o seu espírito de andarilho, a sua simplicidade, as suas emoções.

Pedi a vários companheiros de estrada, que me contassem "estórias" desse tempo de viola às costas. Pedi a colaboração deles, pois este Tributo é de todos aqueles que partilharam a vida com o Zeca.

Zeca foi e continuará a ser a charneira da qual fez surgir o Canto de Intervenção e toda uma geração de cantores que lhe seguiram.
Pedro Barroso é um cantor incontornável dessa geração. "Palmilhou" com Zeca vários pontos do país. Cantou em cima de tratores, em locais sem o mínimo de condições.

Pedi e o Pedro deu-me. Deu-me uma "estória" de um dos momentos.

Obrigado Pedro Barroso e dou-lhe a palavra:

"... sim há muita coisa e tenho "estórias" muito saborosas mas algumas ou já as disse em youtube ou já escrevi sobre elas em vários sítios. Mas recordo-me para lhe oferecer assim de repente, a velha discussão que estava a existir a bordo de uma carrinha sobre as clássicas clivagens revisionismo vs progressismo vs comunismo - muito habituais no pós revolução.
O clima numa viagem todos cansados e birrentos, íamos para o norte nem sei bem onde... e o clima já se estava a toldar e estava a instalar-se uma acidez geral que ele aplacou com sageza - "onde estamos a passar? Leiria? então daqui para cima sou de esquerda e deixem-me dormir!" genial... liminar e tutelar! E calámo-nos todos pois acabava de falar uma figura q todos amávamos e no fundo... imperara o bom senso!"

Neste vídeo Pedro Barroso canta muitos dos seus companheiros dessa estrada que acabou, ou talvez não, enquanto houver trovadores como o Pedro, a revolução não acabará.


publicado por marius70 às 18:58
link do post | comentar | favorito

"Fernandinho Vai Ó Vinho"

"Fernandinho Vai Ó Vinho" - 1976 (Diapasão – DIAP 16002/R)

(Gravado entre Setembro e Outubro de 1976 nos Estúdios Rádio Triunfo, Lisboa)

Disco de Júlio Pereira com a participação de José Afonso entre outros.

“Uma opereta meio rock,em que o tema é baseado na vida de um jovem e as suas relações com o trabalho, a família, a vida militar, o desporto, a política, o amor, etc. Dadas as profundas alterações na sociedade portuguesa após o 25 de Abril - nomeadamente nos grandes centros urbanos - podemos encontrar alguns personagens que caracterizavam Lisboa nesta época."

Texto de Júlio Pereira sobre o disco. Excelentes ilustrações de Carlos Zíngaro.

"O Zeca foi a maior escola que eu tive em termos musicais
Em 1976, fiz o disco “Fernandinho vai ó vinho”, que ainda é uma espécie de opereta rock, ou seja, que ainda faz parte daquele percurso em que estou a largar o rock. Era, no fundo, a história da minha vida, as experiências que tinha tido a nível profissional, social, familiar, etc. Tinha cerca de 40 personagens e cantaram 26 pessoas. Convidei o Zeca, que fez de meu pai. Até se divertiu, foi uma experiência gira."

Júlio Pereira

Faixas onde Zeca canta

"A Primeira Dúzia De Anos"


Sónia Craveiro: Voz [Mãe]
José Afonso: Voz [Pai]
Carlos Cavalheiro: Voz [Ministro]
Herman José: Voz [Professor]
Jorge Palma: Voz [Padre]
José Afonso: Voz [Patronato]


"O Desporto Nacional"


Júlio Pereira: Voz [Fernando]
José Afonso: Voz [Pai]
Francisco Fanhais: Voz [Professor]
Herman José: Voz [Ministro]

"O Som Da Corneta Aos 21 Anos"


Henrique Tabot: Voz [I Soldado]
Jorge Palma: Voz [IIº Soldado]
Jaime Queimado: Voz [Vizinho]
Sónia Craveiro: Voz [Mãe]
José Afonso: Voz [Pai]
Júlio Pereira: Voz [Fernando]
José Afonso/Sónia Craveiro: Voz [Família]
Músico entre outros:
Guilherme Inês: Bateria e Percussão




Daqui:

http://caixinhademusicas.blogspot.pt/2008/01/julio-pereira-fernandinho-vai-ao-vinho.html

publicado por marius70 às 18:55
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Maio de 2015

Théatre de la Ville - Novembro de 1981

De 10 a 14 de novembro de 1981, Zeca deu uma série de 5 concertos no Théatre de la Ville, um teatro da praça do Chatelet, no centro de Paris.

Todos os concertos decorreram com lotação esgotada.


Cartaz francês com esta foto, a anunciar a presença de Zeca no Théâtre de la Ville




Outra foto do mesmo evento em França


Algumas fotos desse evento. Do arquivo do Júlio Pereira

Com Sérgio Mestre, Janita Salomé, Júlio Pereira e Jean



,

publicado por marius70 às 03:43
link do post | comentar | favorito

Moçambique - Abril/Maio de 1982

Digressão de quase um mês por Moçambique, com Sérgio Mestre (Serginho), Júlio Pereira e Janita Salomé.

Júlio Pereira

«Nos últimos dias, houve um encontro com os músicos moçambicanos onde compareceram os artistas mais variados (...). A certa altura, uma mulata cantava uma "marrabenta" (música-dança típica de Moçambique) e, às tantas, pega no Zeca, leva-o para a pista e começa a dançar com ele. A canção prolongou-se e o Zeca já estava com o coração na boca quando eu e o Serginho lá fomos dançar e safámo-lo. Quando voltávamos ao nosso lugar, o Zeca comentou:

"Porra, já não sabia como havia de sair da dança..."

Foi a única vez que se sentiu cansado.»

Fonte: "Livra-te do medo" de José A. Salvador

Esse momento está documentado nestas fotos do arquivo do Júlio.


publicado por marius70 às 02:35
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds