Sábado, 21 de Fevereiro de 2015

"Grândola Vila Morena"

Depoimento de Fernando Alvim (executante de guitarra clássica que acompanhou Zeca em vários espetáculos)

Pergunta:

Foi no carro, no retorno de uma viagem feita a Grândola para um espectáculo (17 de maio de 1964, na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense), onde estavam Fernando Alvim, Carlos Paredes e Zeca Afonso que este último começou a compor «Grândola Vila Morena», exactamente 10 anos antes do 25 de Abril de 1974. Como foi para si, 10 anos depois, ouvir esta música no momento em que ela mesma dava a machadada ao início de um acontecimento como a revolução?

Fernando Alvim

"Isso foi o Zeca, no regresso, para não adormecer, que começou a assobiar. Assobiou primeiro, e depois cantou… Pois, achei surpreendente… Eu até já não me lembrava bem, porque isso foi em 1964 e a revolução foi em 74, portanto, dez anos depois… Só depois é que vim a reconhecer aquela melodia…"

Rua de Baixo

Foi Fernando Alvim e não Júlio Abreu (um ciclista), que acompanhou Carlos Paredes em Grândola.


publicado por marius70 às 03:11
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015

Poesia do Zeca - "Isto é Sono"


Tenho sono
Tenho saudades do vento
do poço
do catavento
da estrada de Santiago
Tenho montanhas de trapos
que são guizos
que são sapos
Tenho de tudo cautela
da minha infância calada
do velho
da nuvem branca
da janela
do romeiro
do tinteiro
da verruma
Tenho saudades da espuma.





Zeca - 1970

publicado por marius70 às 07:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2015

Atuação do Zeca na Festa de Amizade

Festa de Amizade - 5 de fevereiro de 1983


Ao fim de 32 anos, com o esforço conjunto de uma série de amigos, é possível apresentar o som da última atuação (até agora) do Zeca Afonso em palco (o som da gravação do fado que Zeca canta, "Saudades de Coimbra", que aparece no disco de Homenagem ao Zeca em Coimbra a 26 de maio de 1983, não é o som original).

Nunca será demais agradecer a quem fez com que este evento fosse possível dar a conhecer a todos nós, em fotos, em som e na imprensa da época. A eles (Fernando Manuel, José Carlos Faria e Regina Gaspar) um muito Obrigado, sem a vossa disponibilidade e empenho esta "Festa" não seria possível.


publicado por marius70 às 06:43
link do post | comentar | favorito

"Vira de Coimbra"

Na discografia do Zeca, o "Vira de Coimbra" faz parte de dois discos: EP "Balada do Outono" - 1960 e do LP "Fado de Coimbra e outras canções" - 1981, com quadras distintas entre estes dois discos.

Em ambos aparece como popular o autor da música e letra deste "Vira". Mas no EP de 1960 uma das quadras não é popular. A 4ª quadra é de um poeta bem conhecido, António Nobre.

Vira de Coimbra de 1960

(1ª)
Dizem que amor de estudante
Não dura mais que uma hora
Só o meu é tão velhinho
Inda se não foi embora.
(2ª)
Coimbra pra ser Coimbra
Três coisas há-de contar
Guitarras, tricanas lindas,
Capas negras a arejar
(3ª)
Ó Portugal trovador
Ó Portugal das cantigas
A dançar tu dás a roda
A roda co'as raparigas
(4ª)
Vou encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei
Mondego qu'é da tu'água
qu'é dos prantos que eu chorei.


A última quadra, está no seu livro de poemas "Só" (1890).

"Vou encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei
Mondego qu'é da tu'água
qu'é dos prantos que eu chorei
."


É a sétima quadra do poema, “Para as raparigas de Coimbra”.

(1ª)
"Tristezas têm-nas os montes,
Tristezas têm-nas o Céu,
Tristezas têm-nas as fontes,
Tristezas tenho-as eu!
(2ª)
O choupo magro e velhinho,
Corcundinha, todo aos nós,
És tal qual meu Avôzinho:
Falta-te apenas a voz.
(3ª)
Minha capa vos acoite
Que é para vos agazalhar:
Se por fora é côr da noite,
Por dentro é côr do luar …
(4ª)
Ó sinos de Santa Clara,
Por quem dobraes, quem morreu?
Ah, foi-se a mais linda cara
Que houve debaixo do Céu!
(5ª)
A sereia é muito arisca,
Pescador, que estás ao Sol:
Não cae, tolinho, a essa isca …
Só pondo uma flor no anzol!
(6ª)
A Lua é a hostia branquinha,
Onde está Nosso Senhor:
É duma certa farinha
Que não apanha bolor.
(7ª)
Vou a encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei!
Mondego, q’ué da tua agoa,
Q’ué dos prantos que eu chorei
?


...

Coimbra, 1890."

Esta mesmo quadra faz parte do "Fado d'Anto" (3ª) musicado e cantado por Francisco Menano e poema de António Nobre (Zeca Afonso no seu "Fado d'Anto" só canta duas destas quadras por esta ordem, 5ª e 4ª)

(1ª)
"Meninas, lindas meninas !
Qual de vós é o meu ideal ?
Meninas , lindas meninas
Do Reino de Portugal !
(2ª)
Minha capa vos acoite,
Que é p'ra vos agasalhar;
Se por fora é côr de noite,
Por dentro é côr do luar ...
(3ª)
Vou encher a bilha e trago-a
Vasia como a levei !
Mondego, que é da tua água
Que é dos prantos que chorei?

(4ª)
Ó quem me dera abraçar-te,
Contra o peito assim, assim,
Levar-me a morte e levar-te
Toda abraçadinha a mim.
(5ª)
A cabra da velha Torre,
Meu amor, chama por mim;
Quando um estudante morre,
Os sinos chamam, assim.
(6ª)
Ó sinos de Santa Clara,
Por quem dobraes, quem morreu ?
Ah, foi-se a mais linda cara
Que houve debaixo do Céu!"

(o português que está nos poemas, é o português original da época em que estes poemas foram concebidos)

Assim podemos considerar que no "Vira de Coimbra" de Zeca Afonso, as 1ª, 2ª e 3ª quadra são de autor desconhecido (por enquanto) mas a 4ª tem um nome e esse é António Nobre.

Existe esta placa em Coimbra (Parque Manuel Braga) onde podemos certificar a autoria do poema.


O poema de António Nobre declamado por Luís Gaspar



Fontes:

Penedo da Saudade
Estúdio Raposa
Natura di uminho

publicado por marius70 às 05:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

Zeca em Montmorillon

Coloquei aqui um tema sobre o fósforo que acendeu o cigarro do Zeca em Paris quando o Zeca atuou no Théâtre de la Ville em novembro de 1981.

Sobre o assunto disse Pierre Brugier:

"No dia de folga, 19, por amizade, deu o pulo até Montmorillon para um espectáculo único e inesquecível, acompanhado pelo Janita, o Júlio e o falecido Serginho! Grandes momentos!

Eu vou procurar o corte dos jornais locais...Mas imagine ...o Zeca em Montmorillon...Naquele dia, realizei um dos meus sonhos...os meus alunos todos a acompanhá-lo nas canções! E a surpresa dele...!"

... E o Pierre Brugier não se ficou pelas palavras e foi. Foi e conseguiu estes recortes na imprensa local, da presença do Zeca nesse espetáculo.


Apresentação em Montemorillon feita por Pierre Brugier, sobre a participação de José Afonso a 19 de novembro de 1981

José Afonso à Montmorillon

La venue de José Afonso, jeudi 19 novembre au CAR de Montmorillon est sans conteste un grand événement pour notre région.
Depuis de nombreuses années, il est l'un des artistes les plus populaires du Portugal et du monde lusophone.
Il commença à chanter alors qu'il était étudiant à Coimbra. (il est licencié en histoire de la philosophie) Pendant la dictature salazariste, il fut le chef de file des chanteurs dits « de résistence ou d'intervention »; il a d'ailleurs payé moralement et physiquement de sa personne son opposition au régime.

A l'aube du 25 avril 1974, c'est une de ses chansons, « Grândola, Vila Morena » qui annonça sur les ondes portugaises le soulèvement populaire qui libéra le Portugal de la dictature. Cette chanson devait ensuite devenir l'hymne de la Révolution des Oeillets!
Depuis, José Afonso est toujours le troubadour de la Liberté. Il a su rester en marge de tout régime et de tout parti. Bien que se reconnaissant révolutionnaire, il déclarait récemment:

« Je suis mon propre comité central ».

Il adapte avec bonheur la musique populaire des provinces de son pays, des anciennes colonies, mais revient aussi aux balades de ses débuts. La recherche est permanente, pour les textes comme pour la musique de ses chansons. Sa voix, à elle seule est un instrument hors du commun. En un mot, c'est le « Grand Monsieur » de la chanson portugaise!
Il chante actuellement au Théatre de la Ville à Paris. A Montmorillon, il sera accompagné par des musiciens de talent: Júlio Pereira, Janita et Serginho Mestre.

Pierre Brugier.

Tradução livre

"A chegada de José Afonso, quinta-feira 19 de novembro no CAR Montmorillon é, sem dúvida, um grande evento para a nossa região.
Durante anos, é um dos artistas mais populares de Portugal e do mundo de língua Português.
Começou a cantar quando era um estudante em Coimbra. (tem uma licenciatura em história da filosofia). Durante a ditadura de Salazar, era o líder dos chamados cantores "da resistência ou intervenção"; também pagou moralmente e fisicamente em pessoa sua oposição ao regime.

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, é uma de suas canções, "Grândola, Vila Morena", que anunciou em ondas portuguesas a revolta popular que libertou Portugal da ditadura. Esta canção torna-se o hino da Revolução dos Cravos!
José Afonso ainda é o trovador da Liberdade. Ele manteve-se à margem de qualquer plano e qualquer partido. Apesar de reconhecer-se revolucionário, ele disse recentemente:

"Eu sou o meu próprio Comité Central."

Ele se adapta a música felizmente populares das províncias de seu país, e ex-colónias, mas também caminha até sua estreia (neste caso Pierre deve estar a referir-se a textos e musicas originais do Zeca). A investigação está em curso para textos como a música de suas canções. Sua voz por si só é um instrumento incomum. Em uma palavra, é o "Grand Monsieur", da canção Portuguesa.
Atualmente canta no Teatro de la Ville, em Paris. Em Montmorillon, será acompanhado por músicos talentosos: Júlio Pereira, Janita e Serginho Mestre.



publicado por marius70 às 04:42
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Luís Arriaga

. 3º Congresso da Oposição ...

. Círculo Mercantil de Sant...

. Praza da Quintana em Sant...

. Círculo Cultural de Setúb...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds